sábado, 26 de junho de 2010

O jogo do faz-de-conta

Ligaste-me. Eu atendi o mais rápido possível. Não poderia acreditar que eras tu...e disseste-me que tinhas saudades. Disseste-me que gostavas de tomar um café comigo e eu fui...E falámos, falámos durante horas a fio. Por instantes pensei nunca te ter perdido. Esqueci tudo aquilo que me fez doer a alma e acolhi-te na minha vida por aquele instante. E aí fomos felizes...Tão felizes como antes eramos, quando tentámos ser felizes juntos, esquecendo-nos que afinal já o eramos...
E fizémos amor. Fizémos amor nos lençois que já choravam a tua ausência. E fui tua. Já te disse que esqueci tudo o resto?
Mas, o interruptor ligou-se e de repente já não estávamos a brincar ao faz de conta.
E agora, haverá volta a dar?

8 comentários:

Sara S. disse...

Se no passado houvera felicidade, se no faz-de-conta ela também existira, também pode ser que ela exista nessa realidade "pós-encanto", "pós-feitiço". Talvez haja alguma volta positiva a ocorrer, oxalá que assim fosse. Bjs

Gaara disse...

talvez vem ai uma coisa boa

Cátia disse...

Ola querida, volto aqui. Desculpa a minha ausencia. Voltei la atras, voltei a ler-te. fico sem palavras... deixo-te um beijo e um abraço.

CA

Madamefala disse...

Ê coisa boa!!!!
O instante com a pessoa apaga todo o resto..impressionante.

lindo,lindo.
beijinhos!

Sorrisinhos disse...

Gostei tanto :$

Mafalda disse...

Desculpa a invasão, mas o texto está lindo.Repleto de sentimentos :')

(Un)Hapiness disse...

Obrigada Mafalda! um beijinho*

Teka disse...

Peço desculpa pela invasão, mas gostei bastante. A capacidade do ser humano de, em poucos segundos, apagar longos dias e meses de sofrimento é impressionante. Vivemos de emoções e uma emoção boa, é capaz de desvanecer duas emoções negativas.
Beijinhos