terça-feira, 16 de junho de 2009

oh, como sou noite sem ti


Às vezes aqui é noite. Às vezes o sol da minha vida escurece-me o olhar. Às vezes esse sol franze as sobrancelhas e vira-me costas e aí, às vezes é noite. O céu transforma-se unicamente para mim, ganha vida, autonomia e afinal, fico só. Às vezes é Noite.


Nessas noites, que afinal são dias disfarçados de dor, tu não vens e eu não te procuro. Nessas noites, não sei sorrir e não me permito sonhar. Nessas noites, os sonhos cor-de-rosa que tenho contigo, os sonhos que me fazem sentir açicar nos olhos e estrelinhas na barriga, nada mais são do que parvoíces do velho coração. Mas não rio desses sonhos. Choro de tristeza por os ter, choro por ainda sonhar. Porque, no final, às vezes é noite. Passo então os dias a preparar-me para a vida e agora vejo que é de Noite.


Hoje é de Noite. Hoje a razão ocupa-se contigo, com o teu dia e com o modo como o passarás. Hoje escrevi-te uma carta porque é o teu dia de aniversário, mas tu nada disseste. Hoje sinto-me parva e só e, por isso, é noite em mim.


Podia dizer que não quero mais choros nem tristezas, que quero o sol a entrar-me pela janela, mas quando o meu sol és tu, e quando tu não me sorris, basta-me uma única opção, aceitar a noite em mim.


Amo-te porque sempre te amei, quero-te porque sempre te quis, não te tenho porque nunca te tive...talvez porque o sol e a noite nunca se vêem, também tu nunca serás meu...


If I could see past the clouds above...If I could show you wonderful things...If I walked for you a million miles...If I laid down my life for you...If I took you close in my arms...If I committed my life to share...WOULD YOU FEEL MY LOVE?

8 comentários:

Laranjinha disse...

Também para mim é Noite.
E Sol um incómodo.
...
Porque sem retorno...*

http://escritoemlaranja.blogspot.com

bono_poetry disse...

pois talvez se a noite fosse ter ctg e te mostrasse as cores que tu nao conheces ...talvez se a noite te deixasse espreitar as pequenas correntes de ar que tanta gente nao respira...talvez se te mostrasse a historia do pequeno gnomo que nao tem sorriso e vive sem olhar...talvez se te deixassem viajar numa carlinga sem destino e tudo visses mesmo que nao olhasses...sei de muitos talvez que te fariam sorrir e de muitos mais inversos ao sorriso...nao te escondas e deixa brilhar o que o rosto tem de melhor...

Vieira Calado disse...

Acerca do seu comentário:

Pois sim.
Muitas vezes
esta nossa vida é aborrecida.
Mas é a temos.

Temos de carregar a cruz às costas....

Beijinhosss

nOgS disse...

Eu também era "às vezes de noite" sem ele. Mas com ele, sem uqe ele esteja acho que já nem a noite às vezes sou.


Beijo

Sara S. disse...

Se ao menos ele se pudesse aperceber de tais sentimentos talvez a realidade fosse outra. E talvez haja uns raios que possam iluminar essa noite, mesmo que sejam esporádicos. Resto de boa semana.

Fernando D'almeida disse...

Quem não ama, não ama. E o sol, para sempre, deixará de brilhar.

André Guerreiro disse...

Antes de mais, parabéns pelo espaço, andei a ler com bastante agrado - seguirei com tento.

Gostei especialmente disto, porque em parte identifiquei-me a mim, bem como uma frase, parcialmente, que uma vez escrevi:
E eu sou como a lua na tua noite, e tu és como sol no meu dia: o dia não existe sem sol, mas a noite existe sem lua.

Å®t Øf £övë disse...

(Un)Hapiness,
Talvez um dia num raro momento de eclipse vocês se consigam encontrar por breves momentos que valerão uma vida.
Gosto de te ler.
Bjo.