sábado, 3 de janeiro de 2009

Quando os seus olhos falavam


No quarto, numa cama qualquer que não a dele...


Este homem não tem nome [no name boy]. Por outro lado, a mulher da história tem-no. De seu nome, Winter...Como milhentas histórias, também a deles [história] não era bela, não era um conto de fadas. Era o seu homem que trabalhava fora, bebia e fumava. Ela não se lembrava do sabor de um beijo molhado, um beijo de língua...Ela imaginava apenas. Não conhecia a boca do seu No Name Boy...De vez em quando ele chegava-se a ela...nesse instante, ela sorria e pensava no bom que seria fazer amor. Mas não, No Name Boy apenas fodia sem razão aparente. Abria-lhe as pernas sem pensar se a estaria a magoar. Satisfazia o seu lado animal e dormia. Winter ficava acordada. Deixava ali deitado o corpo, não o dela, numa cama que não a sua. Com o olhar distante, preso não sei onde, respirava ofegante, numa tentativa de fugir da sua prisão.


Winter queria ver sol, mas não sabia o que era...Ouvira um dia falar do Sol na aldeia...poucas vezes saía de casa, mas numa dessas vezes, as mulheres que se conheciam todas e que falavam todas umas das outras [coisa estranha para Winter] haviam alado do Sol...Mas o que seria isso?..Winter acordava a pensar no sol...Sonhava com ele enquanto o marido lhe abria as pernas, sonhava enquanto lavava as cuecas do marido, enquanto sentia o cheiro a perfume de mulher na roupa de No Name Boy...


Que deveria ela fazer? O facto de No Name Boy ter outras mulheres não a inquietáva...era o Sol que a atraía...quem seria? seria gente como ela? seria deus? falavam de ser radioso...


Winter sentia-se cansada mas começou a ir cada vez mais à aldeia...começou, a medo, a falar com as mulheres...falou mas teve vergonha de perguntar pelo sol.


Um dia, um homem, ao qual não perguntou o nome, abeirou-se dela...Winter não sentiu desejo por aquele homem alto, de olhar robusto e sedutor, vestido como se de alguém importante se tratasse...Winter não lhe perguntou pelo sol, mas os olhos da pobre mulher falavam...Falavam e ele, o homem, soube-o naquele instante.


Prometeu-lhe o SOL...


Winter seguiu-o sem pensar e viu...o homem beijou-a e ela deixou. O homem rasgou-lhe a roupa e sem que esta notasse, proferiu gritos de prazer...Winter, essa, não o sentiu. Apenas sorrir, deitada na areia a olhar...o sol. Desinteressada pelo homem, o sol ergueu-se no céu. E parou. Parou nos seus olhos. Winter sorriu enquanto as lágrimas lhe caíam pela cara abaixo. Mal conseguia ver, mas não iria fechar os olhos. O sol pareceu-lhe sorrir também e, de repente, uma sombra cobriu-o sem razão. Winter estava sozinha, nua, e não conseguia ver.


Havia visto o sol.

Viu-o uma vez na vida...

Voltou para casa.

No Name Boy bateu-lhe.

Winter sorria.


Porque a vida é feita de sonhos, Winter tinha o dela e...concretizou-o. A sua vida voltou ao que era, não virá mais o sol, aprendeu a viver na completa escuridão mas agora com um sorriso nos lábios.


Afinal, os seus olhos falavam...

6 comentários:

Sininho disse...

Gosto da tua escrita..consegues me prender desde a primeira até à última palavra...:)..não há nada melhor que um sorriso nos lábios..jinhos

João C. Santos disse...

essas palavras falam todos os dias

na boca de milhares de mulheres

Sara S. disse...

É triste saber que várias mulheres sofrem desse tipo de prisão e possuem sonhos tão puros como esse. Um bom texto. beijinhos

Sara S. disse...

Propus um desafio no meu blogue, uma vez que me desafiaram a mim. Gostaria que fosse visto, mesmo não querendo participar nele. A ideia, pelo menos, é interessante. Bjs

bruxinha disse...

Os teus textos deixam-se - sempre - extasiada. Fantástico*

disse...

por vezes vece o medo, por vezes vence a tradição, por vez não, adorei*